top of page

Como os advogados podem permanecer necessários (e empregados) na era da IA ​​generativa?

Ontem eu estive fazendo um treinamento para um grande escritório de advocacia de São Paulo e depois de 4 horas de exposição de tudo o que está acontecendo em termos de uso da I.A. na prática jurídica, no Brasil e no mundo, um dos advogados fez a pergunta título desse artigo.


Eis a resposta que dei.


Os avanços na inteligência artificial generativa, ou GenAI, têm o potencial de perturbar a prática jurídica de muitos, muitos advogados – especialmente os advogados iniciantes.


Um relatório da Thomson Reuters de 2023 sobre o impacto da IA nos advogados prevê um impacto “imenso” nos advogados juniores.


Eu compartilhei recentemente diversas ferramentas de IA que podem redigir realizar diversas tarefas, como uma reclamação usando informações relacionadas aos fatos ocorridos.


Diante da bastante provável diminuição de trabalhos como a elaboração de documentos de rotina que resultarão da rápida adoção e do aumento da eficácia da IA, como podem os advogados manter e desenvolver as suas carreiras?


A resposta é simples e assustadora: eles devem abraçar a mudança, aprimorar sua prática para se adaptar à mudança e, o mais importante, ouça seus clientes, para que você possa fornecer os serviços que eles desejam, da maneira que eles desejam. 


Ouçam os sinais de alerta


Não sejam os turistas que ficam tirando fotos na praia enquanto o tsunami está se chegando.


Os sinais de alerta anunciando o apocalipse dos robôs já soaram antes, mas nos últimos 25 anos, os avanços técnicos não tiveram um impacto negativo sustentado na contratação de advogados.


Desta vez, porém, parece ser diferente.


Desde 2001, vários movimentos foram acontecendo, como a digitalização dos processos, a computação em nuvem, a velocidade da internet, a liberalização dos serviços jurídicos em alguns países, o crescimento das LawTechs, LegalTechs, ALSPs e ABSs, entre outros.


Esses movimentos anteriores aceleraram e facilitaram processos como revisão de documentos, impactando principalmente o trabalho dos assistentes jurídicos e administrativos.


Se antes os advogados podiam analisar dados gerados por ferramentas tecnológicas e usá-los para elaborar seus resultados. Agora, porém, a tecnologia de I.A. pode gerar e elaborar esses resultados sozinha.


Hoje, a qualidade dos resultados gerados pela I.A. ainda é inconsistente e, mas elas adotam o machine learning como metodologia base e a aprendizagem automática é um processo.


Todos os dias a I.A. melhora no seu trabalho (e, consequentemente, no seu trabalho).


O ChatGPT existe há menos de dois anos e, em novembro de 2022, ele assustou o mundo, mas era muito limitado. Lembram da base de dados restrita a eventos de setembro de 2021?


Isso já não existe mais. Em pouquíssimo tempo, a versão atual do ChatGPT (GPT-4o) faz as versões anteriores parecerem um brinquedo antigo.


Atualmente, o ChatGPT tem mais de 100 milhões de usuários cadastrados (fora os que usam a ferramenta sem se cadastrar, o que se tornou possível há pouco tempo) e todas essas novas conversas são usadas para treinar e aprimorar a ferramenta.


Entre eles estão milhares de advogados que estão ensinando a I.A. sobre como fazer um bom contrato ou sobre como deve ser uma petição inicial excelente.


Em menos de 18 meses, a forma como praticamos mudou radicalmente. Agora imagine quais mudanças serão prováveis em mais 18 meses de desenvolvimento.


Quais tarefas jurídicas a IA pode assumir?


Antes de iniciar este artigo, perguntei ao ChatGPT: “Quais tarefas de advogado o ChatGPT pode assumir?”


Ele me deu uma longa lista que incluía, em parte, pesquisa, comunicação com os clientes e elaboração de contratos, memorandos, resumos e outros documentos.


Ainda mais preocupante, a lista incluía a análise e avaliação da jurisprudência e “fornecimento de informações sobre potenciais estratégias jurídicas”.


Não é de surpreender que as respostas iniciais de muitos advogados a uma lista como esta sejam de ceticismo e negação, quando a sobrevivência exige aceitação e adaptação.


Ainda assim, já fizemos isso antes.


As ferramentas de pesquisa jurídica online (Google) perturbaram a biblioteca e os escritórios de advocacia e advogados se adaptaram.


Ferramentas sofisticadas de análise de documentos interromperam a revisão de documentos contratuais e escritórios de advocacia e advogados se adaptaram.


Embora diferente, a pandemia impediu a realização normal de várias atividades cuja presença física era obrigatória, como reuniões, audiências e depoimentos presenciais. E, por meio das novas tecnologias, os escritórios de advocacia e os advogados adaptaram-se.


No entanto, só abraçar a tecnologia, mas continuar a praticar a advocacia da forma como era feita no século passado, levará à obsolescência e possivelmente ao desemprego quase tão rapidamente como a negação e a não adoção da I.A.


O passo muito mais significativo é identificar como utilizamos o tempo livre que teremos após o uso da I.A. para fornecer melhor apoio e aconselhamento aos nossos clientes e para formar os nossos novos advogados em um nível em que as suas necessidades também estão a mudar em relação aos avanços da tecnologia.


O grande desafio


Mas dominar uma prática em mudança é apenas parte do desafio.


As considerações em cada transação de um cliente, grande ou pequena, e as considerações diárias de gestão de uma empresa mudam a cada avanço técnico ou mudança no ambiente jurídico e regulatório em torno da tecnologia.


Cada uma destas considerações torna-se mais complexa devido a uma colcha de retalhos de leis e regulamentos.


Os advogados não precisam se tornar tecnólogos ou reguladores, mas precisam entender do assunto sobre o qual estão aconselhando seus clientes e o cenário jurídico dele, para orientar os clientes sobre como gerenciar de forma ética, sábia, lucrativa e legal seus negócios.


Ou seja, é preciso entender sobre negócios.


A mudança da tecnologia levanta uma infinidade de questões dos clientes que impactam os advogados em quase todas as áreas de atuação.


O domínio dessas questões exige um estudo profundo, muitas vezes acadêmico, uma vez que não existe ainda uma lei estabelecida a ser observada.


Mesmo que você não pretenda trabalhar em transações de tecnologia, privacidade e inovação de dados, blockchain ou outras práticas de “direito digital”, a maioria dos advogados deve adquirir experiência em legislação e regulamentação tecnológica para aconselhar os clientes.


Todo cliente é um cliente de tecnologia agora


Independentemente do setor, todos os clientes terão dúvidas agora sobre como proteger suas informações corporativas ao usar IA generativa ou análise de dados avançada, como equilibrar os direitos de privacidade dos funcionários ao usar ferramentas de emprego de IA ou como avaliar o risco de implantar um novo serviço de atendimento ao cliente com chatbot.


Todo advogado cujos clientes coletam informações deve aconselhar sobre as medidas que devem ser tomadas para manter essas informações seguras e manter os visitantes do site informados.


Esses são apenas alguns exemplos, entre centenas, de por que o conhecimento tecnológico especializado é necessário para manter a excelência e a relevância como advogado.


Como continuar sendo necessário?


Finalmente, continuar a ser necessário agora exige que os advogados compreendam como os negócios são feitos e o que os clientes necessitam dos seus advogados, tanto internos dentro das empresas, como advogados de escritórios externos.


Os advogados no início do século 20, e mesmo antes, muitas vezes atuavam como consultores de clientes em todos os aspectos de seus negócios.


Embora alguns advogados ainda pratiquem dessa forma, a especialização assumiu o controle e a maioria dos advogados atuais consideram apenas questões dentro de suas especialidades ou subespecialidades.


Isso é um erro.


A maioria das empresas – não apenas startups ou empresas de tecnologia – quer advogados que entendam as muitas questões comerciais e jurídicas que sua empresa enfrenta.


Desempenhar essa função requer o conhecimento técnico e jurídico, mas também requer uma mudança na forma como definimos o papel de um advogado, de um solucionador discreto de problemas a um consultor empresarial fundamental.


O advogado precisa de conhecimento e treinamento para fazer as perguntas certas, avaliar a situação e identificar quais riscos legais e regulatórios estão presentes em cada solução que é considerada, no contexto dos negócios e nas operações específicas do cliente.


Isso significa não apenas entender o que a empresa faz, mas também o que fazem as pessoas nas unidades de desenvolvimento e de negócios.


Embora caiba ao cliente decidir quais riscos aceitar e quais empreendimentos e oportunidades seguir à medida que inova, quando ele perceber que você entende seus objetivos e ações, que está ouvindo, você terá construído um relacionamento que lhe permite e para avançarem nos objetivos partilhados.


Todos esses pivôs exigem reconsideração e reformulação daquilo que constitui um advogado eficaz e necessário.


Nem tudo deve ser cobrado


Também requer muito estudo e trabalho (não faturável) – e, para alguns, reciclagem e imersão num ambiente centrado na tecnologia, onde podem aprender o que os desenvolvedores e os profissionais de negócios precisam agora dos seus advogados.


Por exemplo, no curso Inteligência Artificial e Automação para Advogados, nossos alunos aprendem de fato como funciona uma ferramenta de I.A. e descobrem as perspectivas das pessoas cujo trabalho será impactado pelo trabalho dos advogados e, dessa forma, aprendem o que os clientes desejam e o que causa frustração.


Esse conhecimento é a base a partir da qual os advogados podem identificar o que os clientes precisam e querem saber, e como fornecer essas informações e ajudar os clientes.


Poucos advogados têm o desejo de se tornarem programadores ou gerentes de produtos, mas, ao se colocarem no lugar de tecnólogos e profissionais de negócios, os advogados entendem os produtos e negócios de seus clientes e podem oferecer os serviços de que os clientes precisam.


Oportunidade


E para aqueles que querem aprofundar sua compreensão ou até mesmo desenvolver soluções de tecnologia jurídica, descobrir e dominar as técnicas de Engenharia de Prompts Jurídicos é o primeiro passo para entender realmente como a Inteligência Artificial Funciona e como obter os melhores resultados de suas interações com a I.A..


Hoje, dia 27 de junho, às 19h, teremos uma masterclass chamada Legal Prompt Masters, que mostrará as melhores técnicas, estudadas e validadas cientificamente por pesquisadores das maiores e mais renomadas instituições do mundo, como Stanford University, Google Research e OpenAI.


Seja qual for o caminho que você escolher para se adaptar ao ambiente jurídico em mudança, dar o passo para enfrentá-lo de frente oferece uma oportunidade empolgante de estar na vanguarda do que é agora — e do que está por vir. Você pode aprender mais sobre engenharia de prompts jurídicos aqui.


Mauro Roberto Martins Junior


22 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page