top of page

Reuniões Virtuais te deixam menos criativo?



Estamos vivendo um momento único na história. Pela primeira a humanidade está analisando a possibilidade de adotar o trabalho remoto para grande parte das pessoas que trabalham em escritório.


A combinação de pandemia, isolamento e novas tecnologias e a experiência vivida durante esses dois anos mostrou que, em muitos casos, isso é possível.


Se a pessoa trabalha exclusivamente sentada diante do computador, executando suas tarefas em sistemas que podem ser acessados pela internet, comunicando-se com clientes, colegas e parceiros por e-mail ou aplicativos de bate-papo e realizando reuniões via Zoom ou Teams, não há argumentos contra a possibilidade do trabalho remoto.


Não havia. Um estudo conjunto de Stanford e Columbia levantou um ponto importante.


O Estudo


O estudo foi realizado por Jonathan Levav, da Stanford Graduate School of Business, e Melanie Brucks, da Columbia Business School.


Eles descobriram que equipes presenciais geraram mais ideias do que equipes remotas, trabalhando no mesmo problema.


O estudo foi realizado em duas fases.


A primeira fase foi realizada em um laboratório da Universidade de Stanford, sendo que metade das equipes trabalhou em conjunto pessoalmente e a outra metade trabalhou online.


As equipes presenciais geraram de 15% a 20% mais ideias do que suas contrapartes virtuais.


Na segunda fase, o experimento foi realizado com quase 1.500 engenheiros de uma corporação multinacional espalhada por cinco países da Europa e da Ásia. A motivação também era extra, pois as boas ideias poderiam evoluir para novos negócios para a empresa.


Mais uma vez, as equipes presenciais tiveram 15% a mais de ideias.


Além disso, as ideias também tinham mais originalidade, ou seja, os participantes também eram mais propensos a saltar em direções novas, gerando ideias que eram muito diferentes umas das outras, ao invés de serem apenas pequenas variações do mesmo tema.


O motivo


Os pesquisadores identificaram a razão pela qual as reuniões online geraram menos ideias boas: a restrição provocada pela tela.


Quando as pessoas estão em uma reunião virtual, elas procuram fixar seu olhar na tela porque, caso contrário, podem dar a impressão de que estão olhando para outra coisa e distraídas.


O problema é que ao se concentrarem no estreito campo de visão da tela, o pensamento também se torna mais estreito. Se o campo visual é estreito, sua cognição também se reduz.


Para a geração de ideias criativas, o foco restrito é um problema.


Por outro lado, as pessoas que se encontram pessoalmente obtêm estímulo criativo ao vagar visualmente pelo local em que estão, o que as torna mais propensas a vagar cognitivamente também.


Convite


Antes de partirmos para a conclusão, quero fazer um convite especial para você que prefere interações presenciais e sempre quis fazer um curso de Legal Design!


A FAAP de São Paulo, uma das melhores e mais renomadas faculdades de direito do Brasil abriu espaço para o Legal Design!


Instituições visionárias, que desejam oferecer o que há de melhor para seus alunos já estão fazendo isso em todo o mundo!


Projetamos esse curso para que você saia realmente sabendo fazer Legal Design e o método original, da Universidade de Stanford.


Serão 20 horas de aulas práticas, onde o aluno saíra com um documento escolhido por ele, totalmente projetado com as técnicas de Visual Law.


Se você quer viver essa experiência e agregar mais valor e resultado à sua carreira jurídica, a oportunidade é agora.


Clique neste link para obter mais informações e para garantir a sua vaga!


Conclusão


A principal conclusão é a de que os custos e benefícios de trabalhar remotamente são mais sutis e menos compreendidos do que a maioria das pessoas imagina.


Se vamos manter essa transição para o trabalho remoto, precisamos ser deliberados sobre como gerenciamos o processo. Esse será o desafio gerencial dos próximos anos.


Apesar dessa restrição à criatividade, o resultado do estudo não deve ser interpretado como se as reuniões virtuais não tivessem o seu valor.


Enfim, esse estudo analisou apenas um aspecto das reuniões virtuais. Certamente veremos mais estudos aplicados em outros contextos, como entrevistas de emprego e colaborações em grupos maiores.


Portanto, a verdade é que ainda não sabemos o suficiente para fazer julgamentos estridentes sobre a superioridade de trabalhar remotamente versus pessoalmente. O que o estudo mostrou é que há sutilezas que ainda desconhecemos.


Em outras palavras, é muito cedo para ampliar as conclusões.


Mauro Roberto Martins Junior

CEO – Escola Brasileira de Legal Design

Posts recentes

Ver tudo

Commenti


bottom of page