Apple e Legal Design: o que podemos aprender com a empresa da maçã?




Hoje teremos mais um tão esperado evento de lançamentos da Apple.


Você já percebeu como o mundo todo fica na expectativa desses eventos? Você já parou para pensar o porquê de toda essa admiração por uma empresa?


Poucas empresas no mundo conseguiram tal efeito. A Apple não tem clientes, tem fãs.


Você pode preferir Android, Motorola ou Xaomi. Porém, nenhuma dessas empresas, conseguiu gerar o efeito "Uau" que a Apple tem obtido há décadas.


Vamos analisar o que levou a Apple a atingir um patamar que parece inalcansável para as outras empresas e o que os Legal Designers podem aprender com isso?


Os ingredientes da receita


Vou fazer uma analogia à receita de um bolo para explicar esses conceitos.


A filosofia central da Apple está sustentada em uma fórmula que combina tecnologia, simplicidade, criatividade e design. Esses são os componentes do recheio da Apple.


Não sei se você sabe, mas em 1976 os computadores eram dispositivos eletrônicos muito difíceis de serem usados e o sonho de Steve Jobs era combinar simplicidade, design e criatividade para criar um computador que as pessoas pudessem usar facilmente.


A base da Apple é construída sobre um ingrediente muito importante, o foco nas pessoas.


E o acabamento final, a cobertura ou a cereja do bolo, é a experiência do cliente.


Vamos analisar esses ingredientes um por um.


1- Tecnologia


Ninguém tem dúvidas de que o grande segredo da receita de sucesso da Apple é a tecnologia, correto?


Lá atrás, o jovem hippie Steve Jobs percebeu que a tecnologia era a ferramenta que lhe dava o super poder de rebelar e bater de frente com as grandes corporações da época.


Veja o que Steve Jobs falava sobre os computadores:


"Para mim, o computador é a mais extraordinária ferramenta que já tivemos. É o equivalente à bicicleta para a nossa mente." Steve Jobs

A Apple usa então a tecnologia como uma ferramenta para empoderar as pessoas, para maximizar o seu potencial. O que você pode fazer mais com um computador do que com uma antiga máquina de escrever? O que você pode fazer mais com um smartphone do que com os antigos telefones celulares com jogo da cobrinha?


Aqui encontramos a primeira lição para os Legal Designers.


No Legal Design, precisamos pensar da mesma forma. A tecnologia não é inimiga dos profissionais do direito. Ela é uma ferramenta importante e que deve ser usada para aumentar o nosso potencial.


Segundo Margaret Hagan, autora do livro Law by Design e direitora do Legal Design Lab da Universidade de Stanford, o Legal Design se sustenta em três pilares: direito, design e tecnologia:



Portanto, não retire a tecnologia da equação do Legal Design. Ela aumenta a efetividade das ações das pessoas.


Eu sei que a tecnologia é intimidadora para muitos na área jurídica. Porém, Legal Design não se faz sozinho. Você pode encontrar parceiros que te ajudem com essas questões que envolvam tecnologia.


2- Simplicidade


Steve Jobs pensou a Apple como tendo base na simplicidade.


A palavra simplicidade aqui significa que os produtos fabricados não são complicados.


Em outras palavras, o recurso mais importante de um iPhone ou iMac é ser simples e fácil de usar.


Uma criança de 7 anos ou um homem de 70 podem usar esses aparelhos da mesma forma e começar a usá-los muito rapidamente e sem nenhuma dificuldade.


Veja o que dizia Steve Jobs sobre a simplicidade na Apple:


"À medida que aumenta a complexidade da tecnologia, também cresce a demanda pela força básica da Apple de tornar compreensível para meros mortais recursos tecnológicos muito complexos."

Nenhum produto da Apple pode ser complicado. Nada que possa ser feito com 1 clique será feito com 2.


E a simplicidade não se aplicava apenas ao design de produtos da Apple, mas também ao design da própria Apple como organização.


Veja o que Steve Jobs falava sobre a Apple:


"A organização é limpa e simples de compreender, e muito responsável. Tudo fica cada vez mais simples. Esse é um dos meus mantras - foco e simplicidade." Steve Jobs

Aqui encontramos a segunda lição para os Legal Designers.


No Legal Design, precisamos pensar da mesma forma. Os serviços jurídicos não precisam ser complicados e difíceis de lidar.


O destinatário de um documento jurídico, por exemplo, deve ser capaz de entender a sua importância, dedicar sua atenção, ler, compreender e agir de acordo com o que está escrito ali.


Não usamos 2 palavras quando 1 é suficiente. Não usamos latim, quando há o equivalente em português. Não usamos termos técnicos com leigos. Não usamos cláusulas que reproduzem o que diz a lei. Não colocamos 10 jurisprudências sobre o mesmo tema para tomar o tempo de um juiz já atolado em processos.


E isso se aplica a tudo. A experiência com o serviço jurídico não pode ser complicada.


O site do escritório de advocacia não pode ser complicado. O processo de contratação não pode ser complicado. O fluxo de trabalho dos advogados e a acompanhamento do andamento dos serviços não pode ser complicado. A realização de um ato processual não pode ser complicado.


E a simplicidade aqui, não é um fim em si mesma. Que isso fique muito claro!


A simplicidade é uma ferramenta na busca pela eficiência. Pois, justiça que tarda, falha sim. Direito que não protege, que não repara, é um direito doente, insignificante para a sociedade.


3- Design


O que chama mais a sua atenção quando você compra um produto da Apple? Ou qual é o detalhe mais importante que você nota ao visitar uma loja da Apple?


Design. Design funcional.


Esta sempre foi a maior obsessão de Steve Jobs. Os produtos tinham que ser muito bem projetados, simples e funcionais. Jobs tem uma frase clássica que diz:


"Design não é apenas como se parece. Design é como funciona". Steve Jobs.

Quando você for a uma loja da Apple, encontrará um design de loja como nenhuma outra (exceto as que copiaram a Apple depois).


A propósito, você sabia que as escadas com degraus transparentes das lojas da Apple são uma criação patenteada de Steve Jobs?


Aqui você entende a importância que eles dão aos detalhes, mas sempre com foco na funcionalidade.


Ao comprar um produto da Apple, por exemplo, você verá um design de caixa perfeito, ou seja, perfeita de abrir e manusear.


Ao abrir a caixa, você pode ver que o conteúdo foi projetado com maestria e que todas as medidas foram calculadas perfeitamente para a caixa e o produto.


Aqui encontramos a terceira lição para os Legal Designers.


No Legal Design, precisamos pensar da mesma forma. Design é função. Não beleza.


Muitos iniciantes no Legal Design confundem design com estética, com "o como se parece" da frase do Steve Jobs, e não com o "como funciona".


No Legal Design, nossa preocupação principal tem que ser a de desenvolver serviços jurídicos funcionais.


No nosso caso, isso significa, por exemplo, projetar um contrato ou política que comunique perfeitamente a mensagem que queremos passar para o leitor.


Ou projetar uma ferramenta, como um aplicativo ou um site, que ajude o usuário a realizar uma tarefa relacionada a questões jurídicas de maneira fácil, confiável e intuitiva.


4- Criatividade


Já a criatividade está presente na inovação.


A Apple sempre apresenta soluções novas para problemas antigos.


Foi assim quando criou o computador pessoal e permitiu que os indivíduos comuns pudessem ter e utilizar um computador em casa. E foi assim com iPod, iPad, iTunes, iPhone e tantos outros produtos e serviços.


Veja como Steve Jobs enxergava a criatividade:


"Quem quiser viver de maneira criativa, como um artista, não pode olhar muito para trás. Precisa estar disposto a descartar tudo o que fez e tudo o que foi feito no passado."

Aqui encontramos a quarta lição para os Legal Designers.


No Legal Design, precisamos pensar da mesma forma. Precisamos inovar no direito.


Considerando que os serviços jurídicos tradicionais não são nada funcionais, o Legal Designer precisa usar sua criatividade para, assim como a Apple, pensar em soluções não usuais e inovadoras para problemas antigos.


Todo mundo já sabe como escrever um contrato ou uma política. Mas, como fazer isso de uma forma que garanta sua funcionalidade?


Todo mundo já sabe o que é um site ou um aplicativo para celular. Mas, como criar uma ferramenta dessas de uma forma que garanta sua funcionalidade?


Para ser um Legal Designer, você precisa estar disposto a descartar tudo o que fez e tudo o que foi feito no passado da área jurídica. As soluções do passado não funcionam no momento presente. São lentas, complicadas e ineficientes.



5- Foco nas pessoas


Porém, todos esses ingredientes do recheio não se sustentariam sem uma base sólida, uma massa robusta. E qual é essa base da Apple? O foco nas pessoas.


A Apple sempre deixou claro o seu propósito de criar ferramentas para as pessoas.


Veja o que Steve Jobs dizia sobre a base de sustentação da Apple:


"As raízes da Apple foram produzir computadores para pessoas, não para empresas. O mundo não precisa de outra Dell ou Compaq." Steve Jobs.

E essa visão não ficou apenas no ideal. Steve Jobs sabia que para criar algo que as pessoas amam, como a Apple faz, é necessário ouvir as pessoas para entender o que elas estão passando, quais são suas dificuldades, suas necessidades, seus anseios e seus desejos.


Veja o que Steve Jobs dizia sobre o processo de criação de produtos da Apple:


"Quando criamos alguma coisa, nós o fazemos porque ouvimos os clientes, porque recebemos suas contribuições e também porque incluímos neles o que nós gostaríamos de ver. Cozinhamos novos produtos. Você nunca sabe se as pessoas amarão tanto quanto você os ama."

Aqui encontramos a quinta lição para os Legal Designers.


No Legal Design, precisamos pensar da mesma forma. Toda solução tem que ser focada nas pessoas. E temos que ouvir as pessoas que são impactadas pelos nossos serviços.


Se você está escrevendo um documento jurídico, pense em quem é a pessoa do outro lado. É um leigo? É um juiz? É uma pessoa com baixo nível de alfabetização?


Se você está desenvolvendo um software de gestão de ações judiciais, pense em quem serão as pessoas do outro lado. Serão advogados? Eles têm familiaridade com tecnologia? Eles querem ficar horas analisando dados no computador?


Se você estiver projetando um serviço, por exemplo, de contencioso trabalhista do lado das reclamadas. Pense em quem são as pessoas do outro lado. Serão advogados de departamentos jurídicos? O que eles precisam? Como querem receber as informações? O que é essencial para eles? Provisionamento? Separação por tipo de pedidos?


Converse com essas pessoas. Entenda o que elas querem, o que precisam.


Enfim, se a sua organização jurídica não tem foco nas pessoas, se apenas oferece produtos ou serviços em troca de dinheiro, ela até pode dar lucro, mas nunca será admirada como a Apple.


6- Experiência do cliente


Por fim, a finalização, a cereja do bolo da Apple está na experiência que ela proporciona aos seus clientes.


A Apple oferece uma jornada de cliente perfeita para todos os produtos que fabrica e tem a mais alta experiência de cliente de ponta a ponta, do projeto ao uso.


Veja o que Steve Jobs falou quando precisou escolher entre os projetos Lisa e Mac para dar mais foco e atenção:


"O pessoal do Lisa queria fazer algo ótimo. E o pessoal do Mac queria fazer algo incrivelmente ótimo. A diferença é nitida." Steve Jobs

O detalhe mais importante que a Apple dá prioridade ao projetar seus produtos é esse conceito de experiência do cliente.


Quando você pegar um produto da Apple, você notará isso imediatamente.


Por exemplo, todos os produtos da empresa se conectam. Não há outra empresa de tecnologia de consumo no planeta que seja orientada como a Apple. A Apple não fabrica apenas hardware e software, mas também desenvolve seus próprios serviços.


Se você tem um iPad, um iPhone e um Apple Watch, você pode sincronizar suas contas nesses dispositivos, fazê-los se comunicarem uns com os outros, usar todos os recursos ao mesmo tempo e fazer backup de todos os seus dispositivos simultaneamente.


Tudo faz parte da mesma estratégia. O que a Apple faz no design de silício é focado na experiência do usuário. O que ele faz em hardware é focado na experiência do usuário. O que ele faz no software é focado na experiência do usuário. O que ele faz em serviços – e sim, eles vão melhorar – é focado na experiência do usuário.


Outra frase marcante de Steve Jobs sobre experiência do usuário foi:


"Podemos assumir plena responsabilidade pela experiência do usuário. Conseguimos fazer coisas que ninguém mais faz." Steve Jobs.

Graças a essa experiência proporcionanada aos clientes, os usuários da Apple estão conectados à marca como uma marca de amor, e a percepção da marca da empresa se tornou a número um entre as melhores marcas do mundo.


Quando olhamos por aí, embora existam muitas empresas de sucesso, não há outra empresa para confrontar a Apple nesse quesito.


Aqui encontramos a sexta lição para os Legal Designers.


No Legal Design, precisamos pensar da mesma forma. A experiência do usuário é tudo.


Como eu já disse antes, a experiência com o serviço jurídico não pode ser complicada.


Também significa projetar um serviço de consultoria que proporcione uma experiência ágil, fluida, arrojada, jamais vista pelo cliente em um escritório de advocacia.


Desde antes do cliente entrar em contato com o escritório, essa jornada precisa ser bem projetada. Como ele te encontra? Como estão o seu site e redes sociais? Como é aquele primeiro atendimento? Em quanto tempo o escritório retorna o contato? Em quanto tempo envia uma proposta de honorários?


E depois de contratado? Como se comunica com o cliente? Como o cliente fica sabendo do andamento do seu caso? Qual é o tempo médio de prestação do serviço? É ágil ou é lento? Qual é a eficiência do serviço? Resolve o problema de verdade ou fica empurrando com a barriga e cobrando honorários do cliente?


Enfim, até depois do término da prestação do serviço há que se ter atenção com qual é a experiência que você proporciona ao cliente.


Conclusão


Como o texto ficou longo, vou fazer uma conclusão breve.


Segue receita para você usar se quiser ter um serviço jurídico amado pelos clientes, assim como os clientes amam a Apple:

  • 100g de Tecnologia

  • 200g de Simplicidade

  • 200g de Criatividade

  • 300g de Design (tem que ser do funcional)

  • Despeje tudo sobre uma base de 500g de Experiência do cliente

  • Cubra com bastante foco das pessoas, à vontade!


Se você gostou desse assunto e quer aprender mais sobre Legal Design, visite nosso site: https://www.thelegaldesigner.com.br/


Lá eu compartilho bastante conhecimento a respeito do tema.


E também siga nossas redes sociais, onde o tema é tratado sob vários ângulos:











88 visualizações0 comentário