top of page

O retorno do investimento (ROI) do Legal Design

Com a crise causada pela COVID-19, os departamentos jurídicos estão ajudando as empresas na tomada de decisões estratégicas que visam reduzir os custos, em situações que vão desde a renegociação de contratos, até a implementação de medidas trabalhistas como redução de jornada e salários, antecipação de férias, suspensão de contratos de trabalho e até mesmo desligamento de colaboradores.


No entanto, o que fazer quando o departamento jurídico entra na lista de redução de despesas?


Sabemos que a redução do “headcount” pode parecer a solução mais fácil em um primeiro momento, mas também pode ser a mais dolorosa no futuro.


Além de perder um talento que já conhece a empresa, o tempo de recrutamento e seleção pode não acompanhar a retomada das atividades e colocar o departamento em dificuldades e até em risco de colapso.


Embora seja uma metodologia nova, o Legal Design já está sendo considerado por muitos dos melhores gestores de departamento jurídico como uma forma eficiente de fazer com que a área ajude na redução de custos, em muitos casos, passe a contribuir para o resultado da empresa.


Porque o investimento em Legal Design pode dar ótimos retornos?


Como uma metodologia que aplica as técnicas do design centrado no ser humano ao campo do direito, o Legal Design não só ajuda o departamento jurídico a inovar na sua forma de fornecer seus serviços (orientação jurídica), como também identifica a melhor forma a ser utilizada, de acordo com o usuário final de tais serviços.


Dessa forma, a depender do projeto, o retorno do investimento pode ser:


Produtividade: Soluções que facilitam o trabalho dos advogados do departamento jurídico ajudam a economizar tempo que pode ser dedicado a outras atividades mais complexas e estratégicas.


Um exemplo de Legal Design que pode ser classificado nessa situação é a implementação de um chatbot que responde as perguntas mais frequentes feitas pelos colaboradores de outras áreas da empresa.


Ele não apenas retira essa atividade repetitiva dos advogados, como também é mais ágil para o solicitante, uma vez que os e-mails costumam ficar dias ou semanas aguardando por uma resposta.


Transparência: Soluções que facilitam enxergar e entender o que está acontecendo ajudam o departamento jurídico a tomar decisões mais inteligentes.


Um exemplo de solução de Legal Design nesse sentido é a aplicação da análise de dados e estatística às ações judiciais da empresa, também conhecido como jurimetria, verifica estatisticamente o que está acontecendo e permite pensar estrategicamente sobre os melhores caminhos a seguir.


Segurança: Soluções que aumentam a segurança ajudam o departamento jurídico a contribuir para o aumento da confiança na empresa.


Um caso de sucesso de solução feita com base no Legal Design com esse efeito é a construção de um canal de resolução amigável de conflitos, como o “Compra Garantida” do Mercado Livre, que reduziu significativamente o número de ações judiciais contra a empresa e aumentou a confiança dos compradores em seu marketplace.


Experiência do usuário: Soluções que tornam a experiência jurídica mais amigável ajudam a melhorar e fortalecer os relacionamentos da empresa com clientes, colaboradores, parceiros e fornecedores.


Um excelente exemplo de solução em Legal Design para essa finalidade é o uso de uma política de privacidade ilustrada ou em vídeo animado, clara, objetiva e sem jargões do direito (o “juridiquês”).


Com a entrada em vigor da LGPD e as obrigações referentes aos direitos dos titulares, essa é uma excelente forma de tornar a experiência mais amigável.


Engajamento: Soluções que buscam aumentar a participação ajudam a garantir o cumprimento das regras.


Criar treinamentos a respeito das políticas internas, porém usando gamificação, é uma ótima solução de Legal Design para os times de compliance que não conseguem fazer com que os colaboradores da empresa conheçam, compreendam e se engajem com as regras da empresa.


Retenção: Soluções que colocam o usuário no centro ajudam o departamento jurídico a contribuir com a retenção de clientes para a empresa.


Para esse caso, o exemplo de Legal Design que podemos mencionar é a facilitação do processo de contratação. O uso de plataforma digitais, assinatura eletrônica e até o uso de contratos autoexecutáveis (smart contracts) atraem clientes que buscam menos burocracia, como os do serviço de locação de imóveis Quinto Andar.


Encantamento do cliente: Soluções que auxiliam a pessoa a ver suas tarefas realizadas com sucesso ajudam a encantar o cliente.


Por fim, uma solução de Legal Design que auxilia o usuário a realizar suas tarefas e ter sucesso no alcance de seu objetivo são as plataformas de “document assembly”.


Se as áreas da empresa conseguirem criar seus próprios contratos, usando cláusulas pré-aprovadas pelo jurídico, com agilidade e segurança, eles ficarão tão satisfeitos que investirão parte desse tempo para escrever um e-mail elogiando os advogados da empresa.


Conclusão


Como se pode ver, o Legal Design não apenas apresenta um excelente retorno do investimento que nele é feito, como também destaca o departamento jurídico como uma área que pode contribuir, direta e indiretamente, para o resultado operacional da empresa.


Em outras palavras, com o Legal Design, direta ou indiretamente, o jurídico deixa de ser apenas um centro de custo e passa a ajudar a empresa financeiramente.


Estratégias de sucesso como as mencionadas acima só foram possíveis porque obtiveram o apoio de departamentos jurídicos modernos, arrojados e inteligentes que, utilizando o Legal Design e colocando o usuário no centro, ajudaram a empresa a desenvolver um diferencial competitivo único.


E, por essas e outras razões, que esses cases são apresentados na maioria dos eventos relacionados à inovação na área jurídica como exemplos de sucesso.


Saiba mais


Espero que esse conteúdo tenha lhe agregado valor e, mais importante, tenha despertado em você o interesse para continuar a pesquisar sobre como o Legal Design pode impactar positivamente sua carreira, seu escritório ou empresa e, por fim, toda a sociedade.


Esse é um tema bastante amplo e para respeitar o seu tempo, fiz esse artigo de forma bastante objetiva e resumida e vou continuar escrevendo uma série de outros conteúdos que complementarão aos poucos todos os aspectos do Legal Design.


Se você quiser continuar aprendendo sobre Legal Design, se inscreva na newsletter para receber os próximos artigos e veja outros tipos de conteúdos nas diferentes redes sociais: Rotina (Instagram,), Vídeos (YouTube) e dicas profissionais (Linkedin).



Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page